quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

MENINO JESUS





 Está a chegar o dia, a data festiva escolhida para se comemorar o nascimento do Menino Jesus.

Escolhi este lindo poema de Fernando Pessoa interpretado pela fantástica Maria Bethânia para, juntos, LHE darmos as boas vindas.

Espero que gostem e que a saúde, alegria e paz estejam presentes na vossa vida, não só nesta quadra especial, mas sempre

 Um beijinho

 Emilia Pinto

domingo, 20 de novembro de 2016

CONSUMISMO



O Cidadão lúcido em vez do consumidor irracional
 

 Já se sabe que não somos um povo alegre (um francês aproveitador de rimas fáceis é que inventou aquela de que «les portugais sont toujours gais»), mas a tristeza de agora, a que o Camões, para não ter de procurar novas palavras, talvez chamasse simplesmente «apagada e vil», é a de quem se vê sem horizontes, de quem vai suspeitando que a prosperidade prometida foi um logro e que as aparências dela serão pagas bem caras num futuro que não vem longe. E as alternativas, onde estão, em que consistem? Olhando a cara fingidamente satisfeita dos europeus, julgo não serem previsíveis, tão cedo, alternativas nacionais próprias (torno a dizer: nacionais, não nacionalistas), e que da crise profunda, crise económica, mas também crise ética, em que patinhamos, é que poderão, talvez — contentemo-nos com um talvez —, vir a nascer as necessárias ideias novas, capazes de retomar e integrar a parte melhor de algumas das antigas, principiando, sem prévia definição condicional de antiguidade ou modernidade, por recolocar o cidadão, um cidadão enfim lúcido e responsável, no lugar que hoje está ocupado pelo animal irracional que responde ao nome de consumidor.


José Saramago, in 'Cadernos de Lanzarote (1994)


Estamos uma época de consumo, época que, na minha opinião, começa cada vez mais cedo, precisamente, segundo dizem, para incentivar o comércio; achei, por isso oportunos trazer este tema à vossa consideração através deste interessante texto de Saramago.

Emilia Pinto

terça-feira, 8 de novembro de 2016

LUTO....



.....pela bondade

Quero viver num mundo sem excomungados. Não excomungarei ninguém. Não diria, amanhã, a esse sacerdote: «Você não pode baptizar ninguém porque é anticomunista.» Não diria ao outro: «Não publicarei o seu poema, o seu trabalho, porque você é anticomunista.» Quero viver num mundo em que os seres sejam simplesmente humanos, sem mais títulos além desse, sem trazerem na cabeça uma regra-, uma palavra rígida, um rótulo. Quero que se possa entrar em todas as igrejas, em todas as tipografias. Quero que não esperem ninguém, nunca mais, à porta do município para o deter e expulsar. Quero que todos entrem e saiam sorridentes da Câmara Municipal. Não quero que ninguém fuja em gôndola, que ninguém seja perseguido de motocicleta. Quero que a grande maioria, a única maioria, todos, possam falar, ler, ouvir, florescer. Nunca compreendi a luta senão como um meio de acabar com ela. Nunca aceitei o rigor senão como meio para deixar de existir o rigor. Tomei um caminho porque creio que esse caminho nos leva, a todos, a essa amabilidade duradoura. Luto pela bondade ubíqua, extensa, inexaurível. De tantos encontros entre a minha poesia e a polícia, de todos esses episódios e de outros que não contarei porque repetidos, e de outros que não aconteceram comigo, mas com muitos que já não poderão contá-los, resta-me no entanto uma fé absoluta no destino humano, uma convicção cada vez mais consciente de que nos aproximamos de uma grande ternura. Escrevo sabendo que sobre as nossas cabeças, sobre todas as cabeças, existe o perigo da bomba, da catástrofe nuclear, que não deixaria ninguém nem nada sobre a Terra. Pois bem: nem isso altera a minha esperança. Neste momento crítico, neste sobressalto de agonia, sabemos que entrará a luz definitiva pelos olhos entreabertos. Entender-nos-emos todos. Progrediremos juntos. E esta esperança é irrevogável.

 Pablo Neruda, in "Confesso que Vivi


Tenhamos esperança, amigos!!!!

Emilia Pinto





sexta-feira, 28 de outubro de 2016

CERTEZAS




Não quero alguém que morra de amor por mim...
 Só preciso de alguém que viva por mim, que queira estar junto de mim, me abraçando.
 Não exijo que esse alguém me ame como eu o amo, quero apenas que me ame, não me importando com que intensidade.
 Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto, gostem de mim...
 Nem que eu faça a falta que elas me fazem, o importante pra mim é saber que eu, em algum momento, fui insubstituível...
 E que esse momento será inesquecível... Só quero que meu sentimento seja valorizado
.Quero sempre poder ter um sorriso estampando em meu rosto, mesmo quando a situação não for muito alegre..
.E que esse meu sorriso consiga transmitir paz para os que estiverem ao meu redor.
 Quero poder fechar meus olhos e imaginar alguém...e poder ter a absoluta certeza de que esse alguém também pensa em mim quando fecha os olhos, que faço falta quando não estou por perto.
 Queria ter a certeza de que apesar de minhas renúncias e loucuras, alguém me valoriza pelo que sou, não pelo que tenho...
 Que me veja como um ser humano completo, que abusa demais dos bons sentimentos que a vida lhe proporciona, que dê valor ao que realmente importa, que é meu sentimento...e não brinque com ele.
 E que esse alguém me peça para que eu nunca mude, para que eu nunca cresça, para que eu seja sempre eu mesmo.
 Não quero brigar com o mundo, mas se um dia isso acontecer, quero ter forças suficientes para mostrar a ele que o amor existe...
 Que ele é superior ao ódio e ao rancor, e que não existe vitória sem humildade e paz.
 Quero poder acreditar que mesmo se hoje eu fracassar, amanhã será outro dia, e se eu não desistir dos meus sonhos e propósitos, talvez obterei êxito e serei plenamente feliz
. Que eu nunca deixe minha esperança ser abalada por palavras pessimistas...
 Que a esperança nunca me pareça um NÃO que a gente teima em maquiá-lo de verde e entendê-lo como SIM.
 Quero poder ter a liberdade de dizer o que sinto a uma pessoa, de poder dizer a alguém o quanto ele é especial e importante pra mim, sem ter de me preocupar com terceiros..
. Sem correr o risco de ferir uma ou mais pessoas com esse sentimento.
 Quero, um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão...
 Que o amor existe, que vale a pena se doar às amizades a às pessoas, que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim... e que valeu a pena. 

 (Mário Quintana)

Tenho a CERTEZA de que todos gostariam de  um dia," poder dizer às pessoas que nada foi em vão...
 Que o amor existe, que vale a pena se doar às amizades e às pessoas, que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim... e que valeu a pena. "


Emilia Pinto

domingo, 16 de outubro de 2016

PROCESSEI A ESCOLA





Muito interessante, não acham?

Emilia Pinto

domingo, 9 de outubro de 2016

CHÃO DE GIZ






Este cantor foi-me dado a conhecer pelo blog da nossa amiga Smareis. Adorei esta música. Obrigada amiga!


Num " chão de giz " caminhamos nós e, a cada passo em frente, tudo o que ficou para trás desapareceu; o giz acabou, mas há que pegar um novo e com ele riscar um outro chão.. No mais.... tudo acaba e de novo tudo começa 

Espero que gostem

Emilia Pinto

sábado, 1 de outubro de 2016

A VIDA...

..



.PRECISA DE VAZIO 

 A lagarta dorme num vazio chamado casulo até se transformar em borboleta
. A música precisa de um vazio chamado silêncio para ser ouvida.
 Um poema precisa do vazio da folha de papel em branco para ser escrito
. É no vazio da jarra que se colocam flores.

 E as pessoas, para serem belas e amadas, precisam ter um vazio dentro delas.
 A maioria acha o contrário; pensa que o bom é ser cheio. Essas são as pessoas que se acham cheias de verdades e sabedoria e falam sem parar. São umas chatas!

Bonitas são as pessoas que falam pouco e sabem escutar. A essas pessoas é fácil amar. Elas estão cheias de vazio. E é no vazio da distância que vive a saudade.


 Rubem Alves


Façamos do nosso coração um ninho vazio para que nele possa entrar a beleza de cada amanhecer



Emilia Pinto